Ministro Jorge Oliveira & A Rendição do Governo Federal

por paulo eneas
Ao afirmar em entrevista concedida ao Estadão na última terça-feira (29/12) que a militância bolsonarista supostamente mais radical atrapalha o governo, o agora ex-ministro Jorge de Oliveira confirma tudo o que o Crítica Nacional vem afirmando há meses: os assessores mais próximos do Presidente Bolsonaro são os principais responsáveis pela estratégia de derrota antecipada adotada pelo governo federal na relação com os demais poderes.

Na entrevista, Jorge de Oliveira ainda confessa ter aconselhado o presidente a ceder ante a decisão de ministro da suprema corte que impediu o chefe de governo de nomear o diretor-geral da Polícia Federal. O consenso entre os analistas políticos é que ao ceder a essa decisão, abriu-se o caminho para a permanente invasão de competências e prerrogativas constitucionais da Presidência da República or parte do Poder Judiciário, como observou-se em episódios subsequentes.

Há cerca de seis meses, retratamos a conduta deletéria de Jorge de Oliveira no artigo Suposto Ataque Ao Supremo Tribunal Federal: A Mensagem Traidora & Inaceitável Do Ministro Jorge Oliveira, publicado em 14 de junho do ano passado.


 

7 COMENTÁRIOS

  1. O pessoal achou que só o PSL seria base de sustentação pra ele, mas a grande maioria o traiu! Aí fica dificil!

  2. eleitores não lhe deram maioria, mandando para o congresso oportunistas, fisiológicos, corruptos e esquerdistas. Os eleitores votaram em peso nos que se diziam alinhados com Bolsonaro principalmente na legenda PSL.
    Concordo plenamente com o restante do seu comentário. Temos que apoiar o presidente Bolsonaro. Críticas nada construtivas que levaram a Argentina eleger o pústula que está agora levando o país a derrocada!
    Além do mais que hoje são os críticos ferrenhos nada disseram em 30 anos de desgovernos de PT e PSDB.
    Não é passar pano e sim ter coerência e prudência nos julgamentos que colocam nas costas do PR a culpa de não conseguir fazer milagres em 2 anos, transformar algo que vinha sendo construído por décadas no Brasil aparelhado no socialismo.

  3. a acusação de traição do presidente da república é irrealista e inconsequente. admito que bolsonaro tem adotado atitudes pouco características de seu temperamento e persona política, mas acredito que tal aconteça em função de sua decisão de manter o mínimo de condições políticas para levar seu governo até o fim e, quem sabe, criar condições para sua reeleição, o que será tarefa muito difícil, considerando-se que todo o “establishment” trama contra ele. infelizmente, os eleitores não lhe deram maioria, mandando para o congresso oportunistas, fisiológicos, corruptos e esquerdistas, todos interessados em manter as circunstâncias que lhes permitam desviar recursos públicos e exercer tráfico de influência. outra opção é partir para o confronto, o que poderia levar o país a uma aventura arriscada visto que o aparelhamento das instituições não garantiria unidade em favor do governo. nesse cenário, considero altamente desleal e até mesmo pouco inteligente atacar o presidente por ninharia. como ele mesmo diz, ele é passível de crítica, mas de seus eleitores espera-se que sejam críticas construtivas.

  4. Parem de passar pano: foi o Jorge de Oliveira que indicou um petista para a PGR? O STF age dessa forma porque o guardião do equilíbrio entre os Três Poderes foi entregue ao PT, por isso o “sistema” está tutelando Bolsonaro, que se submeteu a isso indicando seu tutor Aras por motivos que ainda não estão claros.

    Bolsonaro já havia nos traído muito antes disso, mas os interesses econômicos do olavismo fazem vocês negarem a realidade como um sindicato petista na época que o PT era governo: sempre arrumando “culpados” nos escalões inferiores para poupar o presidente.

Deixe seu comentário