Donald Trump Banido Indefinidamente do Facebook e Instagram: Globalistas Mostram Quem Manda

por paulo eneas
O presidente norte-americano Donald Trump foi banido definitivamente do Facebook e do Instagram por decisão do proprietário da gigante globalista que controla ambas as redes sociais: Mark Zuckerberg. O banimento de Donald Trump já era esperado, conforme já havia sido alertado há algum tempo pelo Dr. Evandro Pontes em seu canal no telegram.

A medida constitui-se no coroamento de um processo de demonstrações de poder por parte dos globalistas das big techs, incluindo as empresas controladoras da internet, da big pharma e da mídia mainstream, que têm demonstrado ser capazes de controlar todos os aspectos da vida das pessoas, desde a saúde até a liberdade de expressão, inclusive do Chefe de Estado do país mais poderoso do mundo.

A censura a Donald Trump é também o coroamento dos erros cometidos pelo presidente norte-americano, que deveria ter reagido com firmeza e determinação desde a primeira vez em que teve sua autoridade afrontada e sua liberdade de expressão cerceada nas redes sociais. Trump não reagiu, optou por não enfrentar o inimigo, e agora ele o povo americano pagarão um preço alto por esta omissão.


 

Continua depois da publicidade

5 COMENTÁRIOS

  1. Já comentei que no Brasil o maior erro,foi em 64 as forças armadas não terem eliminados todos esses comunistas que estão no poder hoje ,,,

  2. Trump não destruiu o comunismo e o islamismo das casas legislativas, ficou fazendo memes. Está aí o resultado! Os comunistas trabalharam a mente do gado por quatro longos anos cumprindo a primeira e mais importante fraude eleitoral, a “fraude intelectual”, que estrategicamente foi implementada nas grandes cidades americanas, tanto de reduto republicano quanto democrata. A fraude aparente, a dos votos, não teria surtido efeito se a primeira e mais importante não tivesse funcionado, visto que o Trump teve mais votos na eleição presidencial de 2020 do que teve na eleição presidencial de 2016. O grande problema é que a “fraude intelectual” angariou milhões de votos válidos dos grandes centros urbanos para o velho pedófilo.

    Resta ao Trump trabalhar duro pelos próximos quatro anos para seu retorno em vez de chorar pela derrota. Capacidade financeira e estratégica para esse trabalho não faltam ao Trump. Uma das táticas que ele poderia colocar em sua estratégia de retorno poderia ser a de abrir uma empresa de rede social própria. Já contaria com, pelo menos, mais de setenta milhões de seus eleitores e mais uma parcela considerável de conservadores pelo mundo. Além disso, com as receitas dessa empresa o Trump teria possibilidade de se alçar entre os metacapitalistas globalistas para rivalizá-los. Mas a pergunta que fica é:

    Trump trabalhará duro pelo seu retorno nos próximos quatro anos ou apenas usará esse tempo para chorar sua derrota?

  3. Mas o que ele poderia ter feito, de concreto? E será que ele realmente teria o poder para fazer seja lá o que fosse?

  4. O mesmo acontece com o presidente Jair Bolsonaro. Onde reside o principal erro dele? Reside em não ter quebrado as pernas dos seus adversários logo no começo. Agora, está de pés e mãos atadas e nada mais pode ser feito. 2022 promete ser um ano conturbado tanto quanto foi nos EUA.

Deixe seu comentário